Na sua opnião contabilidade é gasto ou investimento?
Ver Resultado

3 de novembro de 2015
Quanto vale a sua empresa?
3 de novembro de 2015
A armadilha do fundador
3 de novembro de 2015
Empreender exige planejamento
24 de março de 2015
Pare, olhe, escute

Mercado Financeiro

Mercados no Mundo 22/07/2011

Mercados Ontem

Mercados na Europa tiveram mais uma sessão no positivo, o Stoxx Europe 600 encerrou o pregão com alta de 1,03%, no maior patamar das últimas 2 semanas, impulsionado pela decisão dos líderes da região de apoiar um segundo plano de socorro à Grécia. A reunião animou o mercado com perspectivas positivas para a crise soberana da Zona do Euro, através da redução dos juros cobrados da Grécia de 4,5% para 3,5% e do aumento do prazo do pagamento para no mínimo 15 anos. O destaque da sessão ficou por conta da forte recuperação do setor financeiro, que impulsionaram o índice bancário europeu em 4,1%. Após o fechamento das principais bolsas europeias, os países da região informaram que o setor financeiro mostrou disposição em ajudar a Grécia com um montante de € 50 bilhões, entre 2011 e 2014. Já o destaque negativo foi o setor industrial, que fechou em baixa devido aos sinais de desaceleração da economia chinesa.

O NYSE Composite encerrou o dia em alta de 1,57% aos 8.411,45 pontos, registrando a quarta valorização da semana. A divulgação do número de pedidos de auxílio desemprego e do índice de atividade do Fed de Filadélfia acima das expectativas do mercado, não impactaram no ânimo dos investidores no início das negociações. No entanto, a divulgação de balanços corporativos e a decisão da cúpula da zona do euro sobre um segundo pacote de resgate à Grécia ditaram o rumo dos negócios durante o resto da sessão, levando os mercados norte-americanos a registrar expressiva alta no fechamento de hoje.

Mercados Hoje

 

Mercados na Europa e futuros norte-americanos operando em mais um dia em alta, com investidores mais aliviados com as últimas notícias da estruturação de um novo pacote de ajuda à Grécia. O composto europeu avançava por volta de 1% enquanto os futuros do S&P subiam por volta de 0,3%. Com o anúncio do novo pacote de ajuda à Grécia de 159 bilhões de euros (US$ 229 bilhões), o rendimento dos papéis da dívida grega e irlandesa caíam mais de 400 pontos base, mostrando grande alívio do mercado em relação ao risco desses papéis.

Esse novo pacote visa evidenciar o suporte de União Européia à crise de déficit que assola a região, tentando também blindar países não tão problemáticos, porém muito maiores como Itália e Espanha, que segundo o mercado seriam os próximos da lista. Além das boas notícias de um novo pacote, a temporada de balanços ao redor do mundo contribui positivamente aos mercados, dessa vez na Europa foram os números da Vodafone Group Plc e Volvo AB que surpreenderam positivamente o mercado, contribuindo para a sustentação das altas na região.

As discussões em relação a um acordo entre o presidente Barack Obama, e os congressistas norte-americanos, na aprovação de um plano para reduzir o déficit dos Estados Unidos, assim como elevar o teto do endividamento do país a fim de evitar uma moratória da maior economia mundial segue no foco dos investidores. Os títulos da dívida americana de 10 anos registravam alta pela primeira vez em cinco dias, com especulações no mercado de que esse acordo estaria próximo de ser fechado.

No campo das divulgações econômicas na Alemanha foi divulgado o índice IFO, de confiança das empresas de julho, que ficou em 112,9 abaixo dos 113,7 esperado pelo mercado, e também abaixo dos 114,5 registrados em junho. O índice de clima do setor industrial caiu para 23,4 nesse mês, de 27,7 em junho. O índice de expectativas das empresas recuou para 105 de 106,2 de junho, em linha com as expectativas do mercado, e o índice sobre as condições atuais das empresas caiu para 121,4 de 123,3.

Fechamento Ásia

Mercados encerraram a sessão em alta, acompanhando o otimismo dos mercados mundiais ontem (21). A bolsa de Tóquio encerrou o dia em alta de 1,22%, sustentada pelo o anúncio da ajuda financeira à Grécia, que contribuiu para a alta dos papéis do setor financeiro e das empresas exportadoras. Ontem, os líderes europeus concordaram em criar um novo pacote de US$ 229 bilhões para conter a crise de crédito da região, e esse foi o estopim para os investidores irem às compras, fazendo o composto subir 1,30%.

Destaques Agenda

Agenda norte-americana vazia hoje, sem nenhum dado relevante a ser divulgado.

Hoje a agenda local é vazia, sem nenhum dado relevante a ser divulgado.

Brasil

 

Mercados Ontem

 

A Bovespa terminou pregão de quinta-feira em forte alta de 1,93%, aos 60.262,95 pontos, acompanhando o ritmo das bolsas internacionais, alcançando 60.441 pontos na máxima e 59.120 pontos em sua mínima do dia. O giro financeiro totalizou R$ 5,6 Bilhões.

No mercado doméstico, a divulgação da nova taxa de juros e da interpretação de que esse aperto possa ter chegado ao fim, trouxe ânimo aos investidores na sessão de hoje. No front externo, a divulgação de pedidos de seguro desemprego levemente acima do esperado por alguns analistas, trouxe leve volatilidade no início do dia. Porém, após a confirmação da aprovação de um segundo pacote de socorro à Grécia ditaram o ritmo das negociações ao longo do dia, contribuindo para que o índice encerrasse no maior nível desde 13 de julho de 2011.

As principais blue chips da bolsa, Vale PN e Petrobrás PN encerraram o dia em alta, apresentando uma valorização de 0,22% e 2,77%, respectivamente. O grande destaque positivo foram os papéis da Gafisa, que encerraram o pregão com forte valorização de 7,04%.

Fluxo Bovespa

Os investidores estrangeiros retiraram no dia 19 de julho, terça-feira, R$ 125,47 milhões na Bovespa, quando o índice subiu 0,41%. No mês de julho, o saldo acumulado de recursos estrangeiros está positivo em 914,00 bilhões. No ano, o déficit acumulado de recursos estrangeiros está em R$ 197,27 milhões. Já os investidores Pessoa Física ingressaram, no dia 19 de julho, R$ 5,66 milhões na Bovespa. No mês de julho, o saldo está negativo em R$ 631,88 milhões na Bovespa. No acumulado do ano, o saldo da pessoa física está negativo em R$ 4,587 bilhões.

Mercados Hoje

Mercado local ainda reagirá às notícias externas, que recentemente estão mais otimistas. Ainda existe muitos acertos a serem feitos para os mercados se sentirem mais seguros em relação à crise de déficit européia. Ontem o tom da decisão do Banco Central, em elevar 0,25% a taxa de juros, contribuiu para o otimismo das ações voltadas a consumo interno, bancos e construção civil que podem continuar se beneficiando no médio longo prazo.

ALL – A  companhia divulgou hoje (22/07) seus dados pré-operacionais relativos ao segundo trimestre de 2011. De acordo com as informações, a ALL atingiu 11,96 milhões de TKU, valor 8,9% superior ao registrado no mesmo período do ano anterior. A unidade brasileira da companhia apresentou um crescimento anual de 9,6% do volume transportado decorrente da ampliação da malha ferroviária da companhia e aumento das exportações de commodities agrícolas 2T11. Além disso, o EBITDA consolidado entre as unidades do Brasil, Argentina e Brado, totalizaram R$ 489 milhões no segundo trimestre desse ano, valor 62,08% superior ao registrado no 1T11 e 12,2% acima pela comparação anual. Acreditamos em um impacto marginalmente positivo para os papéis da companhia, porém aguardamos a divulgação de seus resultados operacionais no 2T11 em 09 de agosto de 2011 para olharmos com maior detalhe os números da empresa.

CPFL – Segundo o jornal “O Estado de São Paulo”, o fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil (Previ) desistiu de realizar a fusão entre a CPFL e a Neoenergia, empresas das quais possui 31% e 49% de participação, respectivamente, e irá vender a sua fatia da Neoenergia para a Iberdrola, que já possui 39% da companhia. Segundo fontes, a Previ irá concentrar seus investimentos em energia elétrica exclusivamente na CPFL. Especulado desde 2009, a fusão não avançou devido a conflitos de interesses, já que CPFL e Neoenergia se posicionaram em consórcios diferentes durante leilões de licitação, dificultando a participação da Previ nas decisões, como no caso da construção da hidrelétrica de Belo Monte.

Ecodiesel – De acordo com uma notícia vinculada ao jornal “Valor Econômico”, o investidor “Enrique Bañuelos” vendeu sua participação de 120 milhões de ações da Brasil Ecodiesel, equivalentes a 11% do capital social da companhia, para o empresário Helio Seibel, que agora passará a deter 17,86% dos papéis da produtora de biodiesel. Segundo uma fonte do jornal, a saída do investidor espanhol representa uma tentativa de melhorar a estrutura societária da nova companhia após a incorporação da Vanguarda, empresa produtora de soja no qual Bañuelos é dono de 50% do capital, depois de conflitos internos com o conselho de administração da Ecodiesel sobre a concentração acionária da nova empresa nas mãos do investidor após a incorporação da Vanguarda. Acreditamos que o mercado já precificou o impacto dessa notícia nos papéis da companhia ontem (21).

Eletrobrás – Conforme notícia veiculada ao jornal “Valor Econômico”, a Eletrobrás tem até o fim de julho para retomar as negociações salariais com seus funcionários, que já realizaram três greves este ano (2011). Nesta última paralisação na quarta-feira, os trabalhadores pararam por 48 horas com cerca de 95% de adesão e reivindicaram reajuste de 9,57%, equivalente a soma de 6,51% da inflação e 3% de ganho real, ameaçando realizar novas greves. A notícia é marginalmente negativa para a empresa, que deverá conseguir uma saída mais favorável para esse impasse.

Gol Linhas Aéreas – De acordo com o “Valor Econômico”, ontem (22), a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) divulgou dados do fluxo de passageiros no país do mês de junho, mostrando que a Gol ultrapassou a TAM no mercado doméstico, considerando a aquisição de 100% da Webjet pela Gol, que ainda precisa receber o aval da Anac. De acordo com os dados, a Gol teve 37,13% e a Webjet, 5,51%, que somados totalizam 42,64%, superando a fatia de mercado da TAM, de 41,68%.  No mês passado, a Gol havia ultrapassado a TAM por uma ligeira vantagem de apenas 0,18% no market share. A Anac também divulgou um crescimento de 19,54% do fluxo de passageiros transportados em junho com relação ao mesmo mês do ano passado, representando 2 anos e meio de crescimento consecutivo. A notícia é de cunho informativo e não deve impactar nos ativos da companhia.

Petrobrás – Nessa sexta-feira (22), o jornal “Folha de São Paulo”, comunicou que pela terceira vez consecutiva deve ser apresentado hoje, ao Conselho de Administração da estatal, o novo plano de negócios para o período de 2011-2015, cujo valor será entre US$ 225 bilhões e US$ 230 bilhões, valor significativamente abaixo do valor anteriormente proposto pela companhia, que era de US$ 260 bilhões. As principais modificações devem ocorrer sobre os prazos das novas refinarias e no desenvolvimento de áreas exploratórias, aumentando assim o foco no desenvolvimento das áreas que já estão em desenvolvimento – as refinarias Premium I e II, que tinham início de operação planejado entre 2015 e 2017, e investimentos de US$ 30 bilhões devem ser adiadas por pelo menos um ano. Além disso, o preço médio do barril de petróleo deverá ser de US$ 88, valor acima do projetado no plano de 2011, em US$ 78,00

Setor de Telecomunicações – De acordo com o jornal “O Estado de São Paulo”, os três maiores grupos de telecomunicações do país (Telefônica e Vivo; Claro, Embratel e Net; Oi) serão obrigados pelo governo a permitir que empresas de menor porte utilizem as suas infraestruturas, como a rede, dutos, postes e torres, mediante o pagamento de um valor inferior ao praticado para o consumidor final. A medida faz parte do Plano Geral de Metas de Competição (PGMC), tem como objetivo o aumento da competitividade do setor e a racionalização do uso da infraestrutura do setor de telecomunicações, e irá para consulta pública na próxima semana, devendo entrar em vigor ainda este ano. A notícia é parcialmente negativa para as empresas de capital aberto do setor, dado que o fato pode comprometer a participação de mercado das companhias citadas.

Vale – Segundo um artigo publicado no jornal “Valor Econômico”, a mineradora anunciou que pretende investir R$ 3,5 bilhões nos próximos quatro anos para a construção de dois projetos destinados a melhorar a capacidade de armazenamento e transporte do “Terminal Maríritmo da Ultrafertil” (TUF), adquirida pela empresa após a aquisição da companhia “Ultrafertil” em 2010. De acordo com o diretor de logística de Carga Geral da Vale, o plano que ainda deverá ser aprovado pelo conselho de administração da companhia, investirá na construção de quatro terminais na ferrovia “Centro Atlântica” (CA), destinadas à ampliar a movimentação de commodities agrícolas e fertilizantes até 2013. Além disso, segundo o executivo, o plano também prevê a ampliação do porto TUF, hoje utilizado exclusivamente pela mineradora na importação de fertilizantes, para construir novos armazéns com o objetivo de alcançar a movimentação de 16 milhões de toneladas de carga anualmente. A notícia é marginalmente positiva para os papéis da Vale, que mostra cada vez mais a diversificação dos seus investimentos.

WEG – A companhia divulgou hoje (22/07) antes do pregão, seus números referentes ao 2° trimestre de 2011, que em linhas gerais vieram marginalmente acima das expectativas do mercado. A receita líquida foi de R$ 1,27 bilhão, crescimento de 26,09% em relação ao mesmo período do ano passado, 13,42% acima do trimestre anterior e 4,16% acima das expectativas de mercado, que totalizavam R$ 1,26 Bilhão. Já o EBITDA ficou em R$ 215,6 milhão, 23,89% maior do que o montante divulgado no mesmo período do ano de 2010, 30,81% acima do trimestre anterior e levemente acima das expectativas do mercado, registrando um aumento de 0,39% em relação ao valor esperado. Além disso, o lucro líquido divulgado foi de R$ 154,6 milhões, crescimento de 33,09% em relação ao 2T10, 27,14% maior que o lucro informado no último trimestre, e 15,34% acima do esperado pelo mercado. Como destaque positivo, a WEG apresentou expressiva alta trimestral de 19,6% nas exportações de sua linha de produtos, além disso, a menor volatilidade das commodities utilizadas na fabricação das peças da companhia auxiliou na diminuição dos custos e o repasse desse aumento nos preços finais de vendas aos clientes da empresa. Acreditamos em uma reação positiva para os papéis da companhia diante dos sólidos resultados apresentados pela WEG no 2T11.

Fonte: Research - Um Investimentos CTVM S/A

Mercados no Mundo 21/07/2011

Mercados Ontem

Em mais um dia de otimismo, as principais bolsas europeias operaram em alta durante grande parte do dia. O índice Pan-Europeu Stoxx 600 subiu 1,30%, encerrando a sessão aos 267,73 pontos, e alcançando a maior alta em três semanas, embalada pelo otimismo sobre uma possível solução para o teto da dívida norte-americana e a expectativa de que os países da zona do euro cheguem a um acordo sobre um novo auxilio para a Grécia. O principal destaque positivo do dia foi a valorização das empresas ligadas ao setor financeiro e tecnologia, refletindo ao discurso do presidente americano, Barack Obama, no dia anterior e os resultados operacionais publicados pela Apple.

Nos EUA, as bolsas da região encerraram o dia em queda após apresentarem otimismo no começo da sessão, com o discurso do presidente Barack Obama referente à ampliação do teto da dívida pública americana, realizado ontem (18) e balanços corporativos, como a gigante de tecnologia Apple, divulgados acima das expectativas do mercado. Mas o sentimento inverteu com a indefinição em relação às grandes chances da Câmara não aprovar a proposta de seis congressistas e a divulgação dos decepcionantes dados de vendas de imóveis residenciais abaixo do esperado.

Mercados Hoje

 

Mercados na Europa e futuros norte-americanos operando no início dessa manhã em queda, investidores seguem preocupados com a questão do teto do endividamento dos EUA, últimos dados de atividade na China piores do que o esperado, prévia do PMI HSBC mostrou que em julho pela primeira vez em um ano a produção do setor manufatureiro chinês pode ter caído, porém o foco do dia é com a reunião dos líderes europeus em Bruxelas, onde será discutido um novo pacote de ajuda à Grécia, e como o mesmo será operacionalizado.

Assim as principais bolsas da Europa operavam em queda acima de 0,7%, com o composto da região recuando 0,8% e os futuros do S&P em queda de 0,30%. O primeiro-ministro de Luxemburgo, Jean-Claude Juncker, declarou antes do inicio da reunião dos líderes europeus, que o pacote de socorro à Grécia pode incluir um calote seletivo da dívida grega, porém acrescentou que essa possibilidade deverá ser evitada a qualquer custo. A participação do setor público e privado nesse novo pacote de ajuda é outro ponto que será discutido, assim como a definição do tamanho desse novo pacote. O mercado aguarda ansiosamente qualquer novidade sobre essa reunião, e a conclusão da mesma também será crucial para o rumo dos negócios.

No campo das divulgações econômicas, na Europa, foi divulgado o PMI, índice de gerentes de compras, de julho da zona do euro, que ficou em 50,8 contra esperado em 52,6. O PMI da indústria de julho ficou em 50,4 contra esperado em 51,5. O PMI de serviços ficou em 51,4 contra esperado em 53,2. O PMI da indústria de julho na Alemanha ficou em 52,1 abaixo dos 54,1 esperados pelo mercado, e o PMI de serviços ficou em 52,9 também abaixo dos 56,1 esperados pelo mercado. Os índices dos gerentes de compras da França também decepcionaram, o PMI preliminar da indústria de julho ficou em 50,1 abaixo dos 52,1 esperados pelo mercado. E o PMI de serviços de julho ficou em 54,2 abaixo dos 55,5 esperados pelo mercado.

Fechamento Ásia

Mercados asiáticos encerraram a sessão sem direção clara definida. O composto da região caiu 0,1%, com investidores ainda digerindo as últimas movimentações dos congressistas norte-americanos, que discutem e tentam aprovar o aumento do teto do déficit do país, além de um pacote de corte de gastos em US$ 3,7 trilhões. A expectativa sobre a reunião dos líderes europeus em Bruxelas, marcada para hoje (21), que discutirá a aprovação e os detalhes de um novo pacote de ajuda à Grécia também traz cautela aos investidores. Na China foi divulgada a prévia do PMI HSBC de julho, que ficou no menor nível em 28 meses, caindo para 48,9 de uma leitura final de 50,1 em junho, trazendo mais incertezas aos investidores.

Destaques Agenda

Agenda bastante relevante hoje, às 09h30 será divulgado os novos pedidos de seguro desemprego da semana passada, com esperado em 410 mil pedidos, para os pedidos de seguro desemprego até o dia 09 desse mês, o esperado é de 3,708 milhões de pedidos. Às 11h será divulgado o índice de preços de casas, com esperado de alta em 0,1% em maio. No mesmo horário ainda será divulgado os indicadores antecedentes de junho, com esperado em 0,2%, e o FED de Filadélfia de julho com esperado em 2,0. Amanhã a agenda por lá é vazia, sem nenhum indicador relevante a ser divulgado.

Hoje (21) e amanhã (22) a agenda local é vazia, sem nenhum dado relevante a ser divulgado.

Brasil

 

Mercados Ontem

 

A Bovespa terminou o pregão de quarta-feira em leve alta de 0,06%, aos 59.119,71 pontos, acompanhando o ritmo das bolsas norte-americanas, alcançando 59.552 pontos na máxima e 59.045 pontos na mínima do dia. O giro financeiro totalizou R$ 5,39 Bilhões.

No mercado doméstico, a divulgação do IPCA-15, melhor do que o esperado pelos analistas diminuiu as projeções de novos apertos monetários para o resto do ano, além do aumento de 0,25% esperado para hoje, na reunião do Comitê de Política Monetária. No front externo, a divulgação de vendas de imóveis usados nos EUA abaixo das expectativas do mercado, e a expectativa de um acordo sobre o teto da dívida americana e os resultados corporativos positivos, causaram grande volatilidade nas negociações dessa quarta-feira, contribuindo para que a bolsa brasileira encerra-se o dia perto da estabilidade.

As principais blue chips da bolsa, Vale PN e Petrobrás PN encerraram o dia em baixa, apresentando uma desvalorização de 0,52% e 1,19% , respectivamente. O grande destaque positivo foram os papéis da Gafisa, que encerraram o pregão com forte valorização de 5,18%.

Fluxo Bovespa

Os investidores estrangeiros ingressaram no dia 18 de julho, segunda-feira, R$ 74,01 milhões na Bovespa, quando o índice caiu 1,08%. No mês de julho, o saldo acumulado de recursos estrangeiros está positivo em 1,039 bilhões. No ano, o déficit acumulado de recursos estrangeiros diminuiu para R$ 71,80 milhões. Já os investidores Pessoa Física retiraram, no dia 18 de julho, R$ 296,85 milhões na Bovespa. No mês de julho, o saldo está negativo em R$ 637,55 milhões na Bovespa. No acumulado do ano, o saldo da pessoa física está negativo em R$ 4,593 bilhões.

Mercados Hoje

Assim como era amplamente esperado pelo mercado, ontem (20) o COPOM decidiu por elevar mais uma vez a taxa de juros local em 0,25% para 12,50%. Agora a questão remanescente é se o ciclo de aperto monetário chegou ao fim, ou se mais uma alta de 0,25% ocorrerá em agosto. Os próximos dados sobre inflação deverão trazer mais indicações sobre esse movimento. Por aqui os investidores também atuarão em relação ao humor dos mercados internacionais, com uma pressão extra proveniente do dado preliminar do índice de gerentes de compras da China.

Ambev – Em uma matéria publicada pelo jornal “Valor Econômico”, o secretário da fazenda do Paraná, Luiz Hauly, ofereceu o postergamento do ICMS, de 29%, e isenção do IPTU pelos próximos 10 anos, para que a Ambev invista R$ 200 milhões na construção de uma fábrica de 1,5 milhões de m² destinada a produção de refrigerantes e cervejas no estado.  A notícia é apenas de cunho informativo, não devendo trazer impacto na cotação dos papéis da companhia.

Braskem – A empresa anunciou ontem (20/07) que assinou um contrato de compra de 100% da nafta produzida pela companhia baiana “Novaenergia”, empresa especializada no tratamento de resíduos plásticos, pelos próximos cinco anos. O material utilizado para fabricação de polietileno e poliprolineno será destinado para as fábricas de Camaçari, localizados na Bahia. De acordo com o diretor de matérias-primas e logística da Braskem, a recente alta do petróleo tem elevado o preço da nafta derivada da commodity, favorecendo a busca por outros insumos substitutos para a criação dos produtos da companhia. Acreditamos que a notícia é marginalmente positiva para as ações da Braskem, à medida que a queda do spread da resina-nafta que aumentaram em média 14,5% em relação ao 4T10 foram os principais responsáveis pela elevação dos custos da companhia em aproximadamente 11% no mesmo período, uma vez que representaram 45,2% do CPV do trimestre.

Natura – A companhia divulgou ontem (20), após o pregão, seus números referentes ao 2° trimestre de 2011, que, em linhas gerais, vieram marginalmente abaixo das expectativas do mercado. A receita líquida foi de R$ 1.393,6 milhões, crescimento de 8,57% com relação ao mesmo período do ano passado, 21,63% acima do trimestre anterior e em linha com as expectativas do mercado, que totalizavam R$ 1.446,5. Já o EBITDA totalizou R$ 327,3 milhões, queda de 1,36% com relação ao mesmo período do ano passado, 23,93% acima do trimestre anterior e 7,92% abaixo das expectativas do mercado, que totalizavam R$ 355,4 milhões. Tal resultado foi influenciado negativamente pelo aumento das despesas de vendas, que totalizaram 34,9% da receita líquida, 2,7 p.p acima do ano passado, resultado da menor diluição dos custos fixos logísticos, como a abertura de novos centros de distribuição e de novos grupos de consultoras de vendas (Consultora Natura Orientadora) em cidades menores. Além disso, houve um aumento das despesas administrativas, que representaram 13,8% da receita líquida, aumento de 2,1 p.p na comparação anual. E o lucro líquido divulgado foi de R$ 188,1 milhões, queda de 1,78% na comparação anual e 24,98% abaixo do último trimestre, frustrando as expectativas em 11,59%, que totalizavam R$ 212,8 milhões. O destaque positivo ficou para o anúncio da recompra de 2,3% das ações ordinárias, além do pagamento de R$ 0,75 por ação em 12 de agosto, com base na posição de 26 de julho, sendo R$ 0,08 serão em forma de juros sobre capital próprio e R$ 0,68 através de dividendos. Já o destaque negativo foi a redução da margem EBITDA, que recuou 1,07 p.p com relação ao esperado, totalizando uma margem de 23,5% no período. Apesar do crescimento da receita nas bases trimestrais e anuais, a queda nas margens operacionais nos leva a crer em um desempenho marginalmente negativo nos papéis da companhia.

OGX Petróleo – Segundo uma notícia vinculada ao jornal “Valor Econômico”, o ex-presidente da OGX, Rodolfo Landim, venceu na justiça brasileira o direito pela venda antecipada de 5.540.900 ações da companhia que seriam liberadas para o empresário no mês de novembro/11. De acordo com o juiz que julgou o caso, Luis Roberto, tanto Eike Batista quanto a instituição nos quais as ações estão em custódia, não poderão interferir nas negociações dos papéis negociados por Landim, sob a possibilidade de pagar R$ 10 mil em multas diárias. A notícia é marginalmente negativa para os papéis da OGX, uma vez que as ações, avaliadas em R$ 77,5 milhões com base no preço dos papéis no fechamento de ontem (20/07), representando aproximadamente 1,7% do total de ações do mercado.

Queiroz Galvão – De acordo com uma fonte da agência “Bloomberg”, a companhia deverá anunciar ainda essa semana a emissão de R$ 700 milhões em títulos com rendimentos de 5,5% a.a. De acordo com o artigo, nos últimos dias  a empresa já iniciou a etapa de negociação com possíveis investidores, envolvendo os bancos HSBC, Santander e Citibank. A notícia é apenas informativa, uma vez que o fato ainda não foi confirmado pela empresa.

Setor de Consumo – Notícia veiculada hoje (21), no jornal “Estado de São Paulo”, comunica a aquisição de 51% da rede de varejista de eletrodomésticos, Eletro Shopping, pela Máquina de Vendas (empresa que surgiu com a fusão entre as redes Ricardo Eletro, Insinuante e City Lar), movimento esse que levou a empresa novamente à vice-liderança do setor. Apesar de não divulgar os valores, por questões contratuais, o tamanho da operação é relevante, dado que a Máquina de Vendas passaria a ter 900 lojas, faturamento de R$ 6,5 bilhões e estará presente em 301 cidades distribuídas em 23 Estados e no Distrito Federal (a empresa tem como plano possuir 1000 lojas e faturamento de R$ 10 bilhões, até 2014), ficando atualmente atrás apenas da líder do setor, a Globex (empresa do Grupo Pão de Açúcar), que possui 1000 lojas e faturamento de R$ 10 bilhões. A aquisição permitirá à empresa enfrentar o avanço de seus principais concorrentes, que são a Globex (fusão entre Ponto Frio, Casas Bahia e Extra Eletro) e o Magazine Luiza (que adquiriu recentemente a Lojas Maia e diversas lojas do Baú), no local que hoje é o foco para o crescimento desse segmento do varejo, o Nordeste. A notícia deve impactar de forma marginalmente negativa para os papéis de empresas que atuam no setor de eletrodomésticos.

Setor de Transporte – Segundo o jornal “O Estado de São Paulo”, ontem (20), a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) publicou um novo marco regulatório para o setor de ferrovias, com o objetivo de estimular o uso de linhas ociosas e incentivar investimentos privados no segmento. De acordo com o regulamento, as linhas com capacidade ociosa (35% da malha nacional) poderão ser utilizadas por terceiros, desde que estes tenham seus próprios vagões e trens. Além disso, clientes poderão investir nas concessões através da compra de trens ou expansão da malha, podendo negociar uma compensação financeira com a concessionária, e qualquer concessionária pode receber ou entregar na malha de outro consórcio, acabando com o monopólio atual. As mudanças também incluem a criação de metas de produção e segurança, obrigando as concessionárias a apresentarem estudos de mercado, plano de negócios e registros das operações efetuadas à ANTT. A notícia é marginalmente negativa para as companhias de capital aberto do setor.

Fonte: Research - Um Investimentos CTVM S/A

Mercados no Mundo 20/07/2011

Mercados Ontem

As principais bolsas européias operaram em alta durante grande parte do dia. O índice Pan-Europeu Stoxx 600 subiu 0,83%, encerrando a sessão aos 264,28 pontos, na esteira da confiança trazida pelos bons resultados corporativos anunciados pelas companhias da Europa, e da esperança quanto aprovação de um novo pacote de ajuda à Grécia na próxima reunião da cúpula da zona do euro, que esta marcada para quinta-feira. Além disso, o anúncio da construção de 629 mil novas moradias no mês de junho nos EUA superaram as expectativas de alguns analistas do mercado, dando continuidade ao tom otimista dos negócios na sessão de hoje. O principal destaque positivo do dia foi a valorização das empresas ligadas ao setor financeiro.

O NYSE Composite encerrou o dia em alta de 1,46% aos 8.254,8 pontos, levando o S&P 500 à maior valorização diária registrada em quatro meses. A construção de novas casas nos EUA referente mês de junho, que atingiu o maior patamar em cinco meses, aliado à declaração do presidente Barack Obama quanto ao limite da dívida norte-americana, e a divulgação de bons resultados corporativos, definiram o rumo dos negócios de hoje. Em um dia de otimismo, os mercados norte-americanos operaram no campo positivo durante todo dia, tendo como destaque positivo a alta de 5,67% dos papéis da IBM.

Mercados Hoje

 

Ontem após os mercados na Europa recuperarem parte das recentes perdas, causadas pelas desconfianças com a Europa, desaceleração econômica nos EUA e aperto monetário na China, hoje os investidores estão mais confiantes com que o congresso norte-americano aprove o aumento do teto do déficit do país, aliviando a possibilidade de que os EUA não sejam capaz de honrar com todos os pagamentos das dívidas emitidas pelo país. Assim o composto europeu avançava 0,7%, os futuros do S&P subiam 0,5%, e o composto asiático encerrou a sessão em alta de 1,2%.

Durante o pregão dessa terça-feira (18) o presidente dos EUA, Barack Obama, realizou um discurso endossando um plano bipartidário de redução do déficit público do país. Um grupo de senadores republicanos e democratas elaborou um plano que estabelece cortes de US$ 3,7 trilhões, e que o presidente do país retomará conversas com líderes congressistas a fim de tentar acabar com o impasse em relação ao teto de endividamento do país.

A temporada de balanços norte-americana também ajuda a trazer um pouco mais de otimismo para os mercados, ontem após o pregão foi a vez da Apple, que bateu forte as expectativas do mercado em relação aos seus números do segundo trimestre desse ano, a empresa registrou lucro líquido por ação de US$ 7,79 contra esperado de US$ 5,87. Hoje já foi divulgado o balanço da BlackRock que também bateu as estimativas dos analistas, ainda são aguardados os balanços para hoje da Intel Corp, eBay e American Express como destaques.

No campo das divulgações econômicas na Alemanha foi divulgado o índice de preços ao produtor de junho, que ficou em alta de 0,1% contra esperado de estabilidade na comparação mensal, na comparação anual o índice mostrou avanço de 5,6% contra esperado de alta em 5,5%. Na Itália as encomendas à indústria subiram 4,1% em maio ante a abril, bastante acima dos 2,3% esperados pelo mercado, na comparação anual a alta foi de 13,6% contra esperado de alta em 10,2%.

Fechamento Ásia

Maioria dos mercados asiáticos e do pacífico encerram a sessão em alta, bastante impulsionados pelos mercados globais ontem (19). Assim, o composto da região encerrou o dia com alta de 1,2%. O otimismo asiático foi influenciado pelas expectativas de que o congresso norte-americano chegue a um acordo sobre a redução dos gastos públicos, e também na elevação do teto do déficit do país. Ainda após o fechamento dos mercados nos EUA, a Apple divulgou seu balanço do segundo trimestre desse ano, batendo as estimativas do mercado, trazendo mais otimismo em relação à economia dos EUA, contribuindo para a valorização das empresas exportadoras da região, principalmente as empresas de tecnologia.

Destaques Agenda

Agenda norte-americana conta com três destaques hoje, às 08h foi divulgado as solicitações de empréstimos hipotecários da segunda semana de julho, que ficou em alta de 15,5%. Mais tarde às 11h será divulgado as vendas de casas existentes de junho, com esperado em 4,90 milhões de casas, representando uma alta de 1,9% em relação a maio. E às 11h30 será divulgado os estoques de petróleo da semana passada, com esperado de queda em 2 milhões de barris no óleo. Amanhã os destaques ficam os dados do mercado de trabalho, seguro desemprego e novos pedidos de seguro desemprego, índice de preços da casa própria do mês de maio, indicadores antecedentes do mês de junho e FED da Filadélfia, para finalizar o dia. Sexta-feira será um dia de agenda vazia nos EUA.

Dia de agenda importante por aqui, já foi divulgado o IPC da FIPE, referente a segunda semana de julho, que mostrou alta de 0,27%, acima dos 0,25% esperados pelo mercado. Às 09h será divulgado o IPCA-15 desse mês, com esperado pelo mercado de alta em 0,15%. E após o pregão se encerra a reunião de dois dias do COPOM, com esperado de alta em 0,25% na meta Selic para 12,50%.

Brasil 

 

Mercados Ontem 

 

A Bovespa terminou pregão de terça-feira com alta de 0,42%, aos 59.082,13 pontos, recuperando parte das perdas na semana. Assim a bolsa paulista acompanhou a valorização das principais bolsas internacionais, alcançando 59.394 pontos na máxima e 58.677 pontos em sua mínima do dia. O giro financeiro totalizou R$ 5,27 Bilhões.

No mercado doméstico, a divulgação da taxa de desemprego de 6,2% em junho e a expectativa quanto a definição da nova taxa de juros, trouxeram grande volatilidade na sessão. Com isso o rumo dos negócios ocorreu após o pronunciamento do presidente americano, Barack Obama, sobre o progresso das negociações quanto ao endividamento país, trazendo ânimo aos investidores e fôlego aos negócios. Esse otimismo gerado após discurso do Obama também afetou positivamente o nosso mercado.

As principais blue chips da bolsa, Vale PN e Petrobrás PN encerraram o dia com sinais opostos, apresentando uma leve alta de 0,22% e uma queda de 0,48%, respectivamente. O grande destaque positivo foram os papéis da LLX, que encerraram o pregão com forte valorização de 5,18%.

Fluxo Bovespa 

Os investidores estrangeiros ingressaram no dia 15 de julho, sexta-feira, R$ 19,19 milhões na Bovespa, quando o índice caiu 0,74%. No mês de julho, o saldo acumulado de recursos estrangeiros está positivo em 965,47 milhões. No ano, o déficit acumulado de recursos estrangeiros diminuiu para R$ 145,81 milhões. Já os investidores Pessoa Física ingressaram, no dia 15 de julho, R$ 56,53 milhões na Bovespa. No mês de julho, o saldo está negativo em R$ 340,70 milhões na Bovespa. No acumulado do ano, o saldo da pessoa física está negativo em R$ 4,296 bilhões.

Mercados Hoje 

Mercado local deverá seguir as bolsas mundiais, e também refletirá a divulgação do IPCA-15 de julho, onde as pesquisas apontam uma alta esperada de 0,15% na comparação com junho. Após o fechamento do mercado teremos a decisão do COPOM em relação à política monetária, com esperado de alta em 0,25% na taxa Selic para 12,50%. E no âmbito corporativo é esperado para após o mercado a divulgação do balanço da Natura, referente ao segundo trimestre desse ano.

Braskem – Segundo o jornal “Valor Econômico”, a Braskem fechou ontem (19) uma captação externa de U$ 500 milhões em bônus, com vencimento em 2041. Inicialmente, a companhia trabalhava com uma taxa de retorno do título entre 7,375% e 7,5%, contudo, a alta demanda dos investidores, que chegou a US$ 3 bilhões, permitiu a redução do yield para 7,25%. A notícia é marginalmente positiva.

Eletrobrás – De acordo com o jornal “Valor Econômico”, o presidente da Eletrobrás, José da Costa Carvalho Neto, pretende mudar a forma gestão das principais subsidiárias (Chesf, Furnas, Eletronorte, Eletrosul), através da unificação da gestão, com o objetivo de transformar a companhia na maior empresa de energia elétrica de fontes renováveis do mundo até 2020. Segundo o executivo, atualmente as subsidiárias sofrem muita influência política regional e garante que, a partir de agora, todas vão ter o mesmo estatuto, sendo obrigadas a agir segundo a holding. O presidente da companhia também listou os principais problemas das subsidiárias, responsáveis por um passivo a descoberto de R$ 735 milhões, que são o custo excessivo na geração, inadimplência acima da média, custo operacional excessivo e perdas regulatórias maiores que a Aneel exige. A notícia é de cunho informativo e não deve impactar no preços dos ativos.

Embraer – A companhia divulgou ontem (19) que assinou um acordo com a empresa chinesa “Minsheng Financial Leasing” (MSFL), uma das maiores instituições financeiras de leasing de jatos na China, avaliada em US$ 8,5 Bilhões, para a venda de 20 jatos executivos nos próximos cinco anos. De acordo com o vice-presidente da EMBRAER, Ernerst Edwards, o acordo com a MSFL e a expectativa pela aprovação da fábrica de jatos Legacy 600 e 650 na China, previstas para os próximos meses, permitirão a expansão das atividades da companhia em um mercado com uma ampla base de clientes extremamente atrativos. A notícia é marginalmente positiva para os papéis da empresa, à medida que o acordo poderá ampliar a carteira de pedidos da empresa brasileira no país asiático.

Mineração – De acordo com uma notícia vinculada ao jornal “Folha de São Paulo”, a presidente Dilma Roussef e o ministro de energia, Edison Lobão, concluíram ontem um novo marco regulatório sobre a tributação do minério de ferro no país. O projeto que ainda deverá ser aprovado pelo Congresso, mudará os royalties pagos de cada minério e criará uma agência reguladora do setor com o intuito de obter participações em minas consideradas estratégicas para o país e elevar a cobrança de tributos para grandes empresas do setor. Segundo uma fonte do jornal, o governo deverá elevar os impostos sobre o minério de ferro em 100%, passando de 2% para 4%. A notícia é apenas de cunho informativo, uma vez que não possui fontes oficiais, o aspecto negativo desse aumento dos royalties já foi em grande parte precificado pelo mercado.

Setor de Energia – Conforme a notícia veiculada pelo jornal “O Estado de São Paulo”, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, quer uma definição rápida da Procuradoria Geral do Estado (PGE) sobre os mecanismos de punição da AES Tietê e Duke Energia Geração Paranapanema (companhias do grupo AES no setor de geração) pelo descumprimento do contrato de concessão. De acordo com as regras, as companhias citadas deveriam ter expandido a capacidade geradora em 15% até 2008 e pela primeira vez, o governo do Estado cogita aplicar a multa, que pode levar até ao cancelamento dos contratos de privatização. A AES Tietê afirmou que a empresa tem um projeto para a construção de uma termoelétrica a gás com capacidade de 550 MW em Canas, interior de São Paulo, enquanto que a Duke Energy citou o projeto da Termelétrica de Pederneiras e de duas PCH´s, que totalizam 332 MW, o que cumpriria as exigências do Estado com relação as duas empresas. A notícia é de cunho informativo.

Fonte: Research - Um Investimentos CTVM S/A

Mercados no Mundo 19/07/2011

Mercados Ontem

As principais bolsas europeias operaram em baixa durante grande parte do dia. O índice Pan-Europeu Stoxx 600 caiu 0,77%, encerrando a sessão aos 266,91 pontos, na esteira da desconfiança dos resultados dos testes de estresse dos bancos da Europa e do contido avanço das negociações do aumento do teto da dívida americana. Além disso, as incertezas em relação à obtenção de um acordo comum na próxima cúpula europeia, marcada para quinta-feira, para evitar a contaminação das demais economias da zona do euro com os problemas das dívidas soberanas, contribuíram para acentuar o pessimismo dos investidores na sessão de hoje. O principal destaque negativo do dia foi a desvalorização das empresas ligadas ao setor financeiro.

Os NYSE Composite encerrou o dia em baixa de 1,11%, levando o Dow Jones e o S&P 500 ao menor nível desde 28 de junho de 2011. O crescente aumento das incertezas sobre o impasse do limite da dívida norte-americana piorou após a agência de rating “Fitch” ter advertido sobre um possível rebaixamento da nota da dívida dos EUA e um possível veto do programa de cortes orçamentários pelo presidente do país, Barack Obama. Na agenda, nem o índice de confiança do mercado de habitação norte americano acima do esperado conseguiu animar os investidores.

Mercados Hoje

 

Após mais um pregão negativo nas bolsas européias ontem (18), onde o composto da região sofreu um recuo de 0,77%, na esteira da desconfiança dos resultados dos testes de estresse dos bancos da Europa e do contido avanço das negociações do aumento do teto da dívida americana, hoje (19) os mercados europeus operam em certo tom de otimismo, com o composto da região subindo 0,8%, depois do ministro das finanças da Grécia, Evangelos Venizelos, ter afirmado que um acordo para solucionar o problema da dívida da região pode ser alcançado na reunião de líderes da Europa dentro de 2 dias. A reunião ocorrerá no próximo dia 21 em Bruxelas. A expectativa é de que os mesmos cheguem a um acordo, apesar de declarações como as de Jean-Claude Trichet, presidente do Banco Central Europeu, que reiterou que não aceitará títulos de nações em moratória como colateral.

Além disso, os resultados corporativos acima das expectativas, como o da Novartis e do Bank of America, corroboram com o otimismo de hoje nos mercado. Hoje teremos a divulgação dos resultados do 2° trimestre da Coca-Cola, State Street, Harley-Davidson, Bank of New York Mellon, Bank of America, Johson & Johnson, Goldman Sachs, Wells Fargo, Yahoo, Apple, entre outros.

Investidores atentos aos impactos das commodities nos resultados das empresas e também de olho na evolução da receita das companhias, em meio a desconfianças dos consumidores com a saúde econômica mundial.

A Espanha vendeu hoje cerca de 3,8 bilhões de euros em títulos de 12 meses, pagando cerca de 3,7%, e mais 661 milhões de euros em títulos de 18 meses, remunerados em 3,9%. As taxas de remuneração ficaram muito acima das taxas praticadas na venda ocorrida no mês passado, onde a taxa para 12 meses ficou em 2,695% e a de 18 meses em 3,26% – refletindo as preocupações dos investidores quanto a saúde econômica do país.

Os títulos da divida americana trabalham em queda, com os investidores buscando ativos de maior rendimento diante das expectativas de que os um acordo entre os líderes europeus nos próximos dias possa trazer uma solução para a crise de déficit na região.

Fechamento Ásia

O mercado asiático vem hoje (19) trabalhando próximo do zero a zero, ainda pressionados pelos receios de que possa não haver um acordo em torno do aumento para o teto do limite de endividamento norte-americano. O composto da região sobe 0,2%, porém as ações de empresas chinesas e japonesas dos setores de tecnologia e consumo seguem bastante pressionadas. Importadores/exportadores asiáticos seguem bastante preocupados com o futuro dos Estados Unidos, o que deverá resultar em uma alta correlação entre estes mercados nos próximos dias. No Japão, tivemos dados sobre as vendas de em lojas de departamento, mostrando uma aceleração no mês de junho, contra uma retração no mês anterior. Agenda chinesa sem indicadores de grande expressividade. Na esteira das demais commodities, o petróleo sobe nas bolsas mundiais, na expectativa de que a crise europeia possa ter uma solução.

Destaques Agenda

Agenda norte-americana começa a ser divulgada hoje (19) às 09h30, com os dados de junho para construção de novas casas (onde a expectativa é de 575 mil novas casas), início de construção de novas casas (crescimento mensal esperado de 2,7%) e as licenças para construção (onde a expectativa é de 595 mil licenças, uma retração de 2,3% na base mensal). Na quarta-feira (20), além da tradicional pesquisa sobre os estoques de petróleo, temos solicitação de empréstimos hipotecários (semana base de 15 de julho) e os dados sobre vendas de casas já existentes referentes ao mês de junho. Na quinta-feira (21), dia de agenda cheia os EUA, teremos os dados do mercado de trabalho, seguro desemprego e novos pedidos de seguro desemprego, expectativa econômica Bloomberg, nível de conforto do consumidor Bloomberg, índice de preços da casa própria do mês de maio, indicadores antecedentes do mês de junho e FED da Filadélfia, para finalizar o dia. Sexta-feira será um dia de agenda vazia nos EUA.

Por aqui, agenda nacional inicia o dia com a divulgação às 08h00 o IGP-M da FGV, onde é aguardado um recuo de 0,12%. Às 09h00 será divulgada a taxa de desemprego no país referente ao mês de junho, onde as expectativas ficam em torno de 6,1%, contra 6,4% no índice anterior. Às 10h30 teremos os dados referentes a coleta de impostos de junho – expectativa de uma arrecadação próxima de R$ 72,5 bilhões.

E para finalizar o dia, às 14h00, teremos o dado do CAGED sobre a criação de empregos formais de junho, onde o esperado é a criação de 227,5 mil novos empregos. Na quinta-feira (21) temos os dados de inflação IPC da FIPE e o IPCA-15, além da resolução sobre a taxa básica de juros pelo Banco Central, onde é esperado um aumento de 0,25 p.p, elevando a taxa básica de juros para 12,50%. Sexta-feira será um dia de agenda vazia também no mercado nacional.

 

Brasil

 

Mercados Ontem

 

A Bovespa abriu a semana em queda de 1,08% aos 58.838 pontos, atingindo a máxima de 59.479 pontos e a mínima de 58.630 pontos. Este é o menor nível desde 20 de maio de 2010, quando o índice registrou 58.192 pontos. Com a ausência de indicadores econômicos relevantes, o desempenho acompanhou as bolsas europeias e americanas, que fecharam em queda, pressionadas pela sensação de insegurança dos testes de estresse de bancos europeus e pela indefinição do aumento do limite da dívida norte-americana. O volume financeiro foi de R$ 8,470 bilhões.

O relatório semanal Focus, publicado pelo BC antes da abertura dos mercados trouxe o aumento das expectativas do IPCA para os próximos 12 meses, elevando pela quinta semana seguida o valor projetado, anteriormente de 5,29% para 5,37%, trazendo incertezas sobre o controle da inflação  e desanimando os investidores no pregão de hoje.

As principais blue chips da bolsa, Vale PN e Petrobrás PN encerraram o dia com sinais opostos, apresentando uma leve alta de 0,46% e uma queda de 1,17%, respectivamente. O grande destaque positivo foram os papéis da Redecard, que encerraram o pregão com valorização de 1,65%.

Fluxo Bovespa

Os investidores estrangeiros ingressaram no dia 14 de julho, quinta-feira, R$ 266,26 milhões na Bovespa, quando o índice caiu 1,63%. No mês de julho, o saldo acumulado de recursos estrangeiros está positivo em 946,27 milhões. No ano, o déficit acumulado de recursos estrangeiros diminuiu para R$ 165,01 milhões. Já os investidores Pessoa Física ingressaram, no dia 14 de julho, R$ 26,59 milhões na Bovespa. No mês de julho, o saldo está negativo em R$ 397,23 milhões na Bovespa. No acumulado do ano, o saldo da pessoa física está negativo em R$ 4,352 bilhões.

Mercados Hoje

Mercado local deverá seguir as bolsas mundiais, refletindo principalmente as notícias acerca da crise de déficit na Europa, mostrando alívio no dia de hoje, e pronunciamentos oficiais norte americanos. Foi divulgado agora a pouco o IGM de julho, medido pela FGV, apontando uma deflação acima das expectativas (-0,21% contra um esperado de -0,12%). Especulações internas sobre possíveis aumentos nas taxações sobre derivativos (para conter os movimentos no câmbio) e expectativa do aumento da taxa básica de juros local (ainda está semana) pressionam o mercado local.

Ambev – O conselho de administração da companhia aprovou, ontem (18/07), um aumento de capital de R$ 528,5 milhões que contará com a emissão de 7,246 milhões de papéis ordinários e 5,654 de ações preferenciais. De acordo com a companhia, os novos investidores terão os mesmos benefícios que os atuais acionistas. A notícia é marginalmente negativa para os papéis da Ambev, à medida que poderá causar uma diluição da participação dos atuais acionistas da companhia e afetar os dividendos da companhia no curto prazo.

Le Lis Blanc – Reportagem veiculada hoje (19) no jornal “Valor Econômico”, comunica que a Restoque, holding controladora da Le Lis Blanc e da Bo.Bô, adquiriu a fabricante de jeans John John, por R$29,1 milhões. A aquisição ocorreu devido à percepção da Restoque em relação à evolução de suas grifes, as quais podem vir a “se saturar”. A Le Lis Blanc possui 62 lojas e espera ter 100 unidades até o fim de 2012, porém para o presidente da Restoque, Marcio Camargo, uma saturação poderia ocorrer quando a marca alcançasse 130 lojas. Camargo, também afirmou que a Le Lis Blanc deve lançar no próximo ano uma linha de maquiagem importada. Além disso, de acordo com fonte do jornal, a marca Le Lis Blanc, estuda lançar uma linha de roupas masculinas. A notícia é marginalmente positiva para a empresa, dado que mostra um esforço da marca em diversificar seu portfólio de produtos e de manter seu nível de crescimento no longo prazo.

MRV – A MRV Engenharia divulgou sua prévia operacional do 2T11, segundo a companhia o VGV lançado atingiu R$ 751,1 Milhões, valor que correspondeu a 39,13% do total acumulado em 2010. Essa quantia ficou 28% abaixo pela comparação trimestral e 33% menor se comparado com o mesmo trimestre em 2010. Do ponto de vista da diversificação geográfica da companhia, na comparação com o trimestre anterior os lançamentos sofreram um aumento médio de 6% nos estados de SP, MG e BA. Em relação às vendas contratadas, a MRV atingiu o montante de R$ 968,5 Milhões, valor levemente abaixo do alcançado pela construtora no 2T10, apresentando um decréscimo de 1%.  Já pela comparação trimestral, esse volume demonstrou um forte crescimento de 16,57%, permitindo a incorporadora o alcance de 40% do ponto médio de sua projeção de vendas para 2011. Os estados de SP, MG e RJ foram os que mais aumentaram as vendas da construtora no período. Acreditamos em um impacto marginalmente positivo para as ações da empresa, à medida que já era esperada uma recuperação nas vendas da companhia para o 2T11 juntamente com o menor impacto dos efeitos sazonais nos lançamentos da construtora no ano. Vale ressaltar que o atraso das contratações das unidades habitacionais do MCMV para a baixa renda, que estavam paralisadas desde o início do ano pela indefinição do valor do teto das moradias para as famílias com renda de até R$ 1,6 mil, serão retomadas nas próximas semanas, o que poderá impactar fortemente no resultado da incorporadora no próximo período.

Rossi – A construtora divulgou ontem (18/07), após o fechamento do mercado, seus dados pré-operacionais relativos ao segundo trimestre de 2011. De acordo com as informações, a Rossi atingiu R$ 1.119 Bilhão em vendas contratadas, valor 9,27% superior ao registrado no 1T11 e 24% superior ao mesmo período do ano anterior, alcançando no primeiro semestre um total de vendas de R$ 2.143 Bilhão, volume 23% maior que o registrado no primeiro semestre de 2010. Já em relação aos lançamentos, a companhia registrou R$ 1.568 Bilhão no 2T11, valor 37% maior que o 2T10 , sendo que a incorporadora ampliou fortemente a parcela destinada para o segmento econômico no trimestre, alcançando 68% do total lançado no período , contra uma participação de 26% registrada no 1T11. A velocidade de vendas da Rossi permaneceu estável, registrando no trimestre um total de 25%, valor similar ao alcançado no trimestre anterior. Consideramos a notícia positiva para os papéis da construtora, uma vez que a incorporadora reportou fortes dados pré-operacionais no 2T11, porém o relatório divulgado ainda carece sobre maiores detalhes em relação à rentabilidade dos projetos da companhia, nos quais esperamos que sejam divulgados em 11 de agosto com seus resultados operacionais do 2T11.

Setor têxtil – Segundo notícia de hoje (19), do jornal “Valor Econômico”, o déficit da balança comercial do setor têxtil, do primeiro semestre desse ano aumentou 43,2% em relação ao mesmo período do ano anterior. Segundo a Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit), o crescimento das importações de produtos têxteis foi de 31,7%. Dado este cenário, o setor espera que o novo pacote governamental de medidas de incentivos fiscais para a indústria seja em breve divulgado e aumente a competitividade do setor. O aumento das importações é negativo para as ações das companhias do setor, porém caso se confirme este novo pacote de incentivos do governo, o impacto será positivo.

TIM – Segundo o jornal “Valor Econômico”, os dados preliminares da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) apontaram que a TIM encostou na vice-líder de mercado, Claro, no primeiro semestre de 2011. Contudo, a Claro ainda mantém uma ligeira vantagem. De acordo com a notícia, cada empresa detém 25,55% de market share de um mercado com 217,3 milhões de linhas de celular em serviço, dos quais 176,2 milhões (81,96%) são pré-pagos, enquanto que 38,8 milhões (18,04%) são pós-pagos. Em maio, a TIM havia registrado 25,34% de participação de mercado, enquanto que a Claro, 25,46%. A notícia é marginalmente positiva para as ações da companhia.

VIVO – Conforme a notícia do jornal “Folha de São Paulo”, a Vivo lançou ontem (18) um serviço de rádio chamado “Vivo Direto”, complementar aos planos pós-pagos e que irá ser vendido a partir de agosto. O serviço custará R$ 29,90 e os aparelhos a partir de R$ 99, valores inferiores com relação à Nextel, que cobra R$ 89 pelo pacote mais barato e R$ 119 pelo aparelho. Segundo especialistas, a ação da Vivo representa um movimento defensivo contra a entrada da Nextel no mercado de celulares, a partir do segundo semestre de 2012. A notícia é marginalmente positiva para as ações da empresa.

Fonte: Research - Um Investimentos CTVM S/A

Mercados no Mundo 18/07/2011

Mercados Ontem (15/07/2011)

Em um dia volátil, as principais bolsas européias operaram em leve baixa durante grande parte do dia. O índice Pan-Europeu Stoxx 600 caiu 0,3%, encerrando a sessão aos 266,91 pontos, refletindo o pessimismo trazido pelo teste de estresse dos bancos europeus e preocupações sobre a votação para a elevação do teto da dívida americana. O principal destaque do dia foi a desvalorização da bolsa de Madri, registrando uma queda de 1,19%, principalmente afetada pela expectativa de que algumas instituições financeiras do país fossem reprovadas pela Autoridade Bancária Europeia (EBA).

Mercados Hoje

 

Após mais um pregão negativo nas bolsas européias na sexta-feira (15), onde o composto da região sofreu um leve recuo de 0,3%, em função do pessimismo trazido pela expectativa do teste de estresse das 91 instituições financeiras européias, o composto europeu cai hoje 1,2%, sendo influenciado pelos resultados do teste, que fracassou em aliviar os receios em relação ao agravamento da crise de déficit na região. O índice que reflete o setor bancário europeu chegou a menor cotação dos dois últimos anos depois dos resultados dos testes de estresse estimarem em 80 bilhões de euros a quantia que as instituições precisarão levantar.

Os lideres da região vão se reunir nesta semana para discutir uma solução para a crise na região. Jean-Claude Trichet, presidente do Banco Central Europeu, reiterou que não aceitará títulos de nações em moratória como colateral.

O euro continua apresentando perdas em relação ao dólar, após ter se enfraquecido mais cedo com os receios de um fracasso na reunião de lideres esta semana para discutir a crise de déficit da região. O ouro, em contrapartida, continua disparando nas bolsas de Londres.

Além das preocupações com o alastramento da crise de déficit européia, os mercados seguem apreensivos com a temporada de balanços nos EUA, que hoje conta com a divulgação dos resultados do segundo trimestre da Mosaic, Black & Decker, Charles Schwab e Halliburton. Investidores atentos aos impactos das commodities nos resultados das empresas e também de olho na evolução da receita das companhias, em meio a desconfianças dos consumidores com a saúde econômica mundial.

Fechamento Ásia

O mercado asiático vem hoje (18) seguindo os movimentos nos índices futuros norte americanos. O composto da região, excluindo o Japão, onde ocorre o feriado do “dia da marinha” e o mercado está fechado, cai 0,6%, tendo 2 ações caindo para cada uma que sobe, repercutindo os anúncios realizados pelo presidente dos EUA, Barack Obama, afirmando que os EUA estão ficando sem prazo para chegar em um acordo em relação ao corte do déficit fiscal, afetando as expectativas dos importadores/exportadores asiáticos. Apenas as ações relacionadas a bens de consumo estão dando um “alivio” para os índices da região. Agenda chinesa é vazia no dia de hoje. Na esteira das demais commodities, o petróleo cai em Nova York, na expectativa de que a crise européia vai desacelerar a economia e afetará a demanda por combustíveis.

Destaques Agenda

Agenda norte-americana começa a ser divulgada hoje (18) às 10h00 com o fluxo de compras e vendas de ativos nos EUA de maio para o longo prazo, onde as expectativas giram em torno de US$ 40 bilhões, e o fluxo líquido total da venda de ativos. Às 11h00 temos o índice do mercado habitacional de julho, onde as expectativas para o índice giram em torno de 14, contra um dado anterior de 13. Amanhã (19) temos às 09h30 os dados de junho para construção de novas casas, início de construção de novas casas e as licenças para construção. Na quarta-feira, além da tradicional pesquisa sobre os estoques de petróleo, temos solicitação de empréstimos hipotecários até o dia 15 de julho e os dados sobre vendas de casas já existentes referentes ao mês de junho. Na quinta-feira, dia de agenda cheia os EUA, teremos os dados do mercado de trabalho, seguro desemprego e novos pedidos de seguro desemprego, expectativa econômica Bloomberg, nível de conforto do consumidor Bloomberg, índice de preços da casa própria do mês de maio, indicadores antecedentes do mês de junho e FED da Filadélfia, para finalizar o dia. Sexta-feira será um dia de agenda vazia nos EUA.

Por aqui, agenda nacional começa a semana divulgando às 08h00 o Índice de Preços ao Consumidor (IPC-S) da FGV, onde as expectativas são de um recuo de 0,11%, comentários sobre a pesquisa econômica semanal do banco central às 08h30 e a balança comercial (FOB) semanal às 11h00. Amanhã temos a previa do IGPM às 08h00, onde também é aguardado um recuo de 0,11%, e a taxa de desemprego às 09h00, onde as expectativas ficam em torno de 6,1%. Na quinta-feira temos os dados de inflação IPC da FIPE e o IPCA 15, além da resolução sobre a taxa básica de juros pelo Banco Central, onde é esperado um aumento de 0,25 p.p, elevando a taxa básica de juros para 12,50%. Nesta semana estão previstas as divulgações dos dados sobre a coleta de impostos e criação de empregos formais, porém os mesmos não possuem nem data e nem horários definidos.

Brasil

 

Mercados Ontem (15/07/2011) 

A Bovespa terminou pregão de sexta-feira (15) com queda de 0,34%, aos 59.478,01 pontos, registrando o seu quarto recuo da semana.

Em um dia carregado de indicadores, a bolsa paulista caminhou na contramão das bolsas americanas, alcançando 60.104 pontos na máxima e 59.180 pontos em sua mínima do dia. O giro financeiro totalizou R$ 5,74 Bilhões.

A divulgação dos resultados do teste de estresse e o pronunciamento do presidente americano, Barack Obama sobre a situação do endividamento do país, não animaram os investidores e contribuíram para que a bolsa brasileira encerrar a semana com desvalorização de 3,31%.

Fluxo Bovespa

Os investidores estrangeiros ingressaram no dia 13 de julho, quarta-feira, R$ 172,33 milhões na Bovespa, quando o índice subiu 1,62%. No mês de julho, o saldo acumulado de recursos estrangeiros está positivo em 680,00 milhões. No ano, o déficit acumulado de recursos estrangeiros diminuiu para R$ 431,27 milhões. Já os investidores Pessoa Física retiraram, no dia 13 de julho, R$ 75,34 milhões na Bovespa. No mês de julho, o saldo está negativo em R$ 423,82 milhões na Bovespa. No acumulado do ano, o saldo da pessoa física já está negativo em R$ 4,379 bilhões.

Mercados Hoje

Mercado local deverá seguir as bolsas mundiais, refletindo principalmente a notícias acerca da crise de déficit na Europa e pronunciamentos oficiais norte americanos. Foi divulgado agora a pouco o IPC-S de julho, medido pela FGV, apontando uma inflação abaixo das expectativas (-0,13% contra um esperado de -0,11%). Especulações internas sobre possíveis aumentos nas taxações sobre derivativos (para conter os movimentos no câmbio) e expectativa do aumento da taxa básica de juros local (ainda está semana) pressionam o mercado local.

Cielo – Segundo notícia veiculada hoje (18) no jornal “Valor Econômico”, a bandeira de cartões Elo, que pertence ao Bradesco, Banco do Brasil e Caixa, está começando a chegar às mãos dos consumidores. O presidente da Elo Serviços, Jair Scalco, afirmou que apesar dos cartões ainda estarem em estágio embrionário e da necessidade de aumentar a  escala para que o custo do serviço fique mais barato que as bandeiras, Visa e Mastercard, acredita que a Elo alcance o equilíbrio até o ano que vem – isso porque os custos seriam divididos pelos três bancos. Scalco, também afirmou que a rede de Point of Sales, máquinas que realizam a leitura dos cartões, da Cielo, já estão aptas para capturar os cartões da Elo. A notícia é marginalmente positiva para as ações da companhia.

Copel – De acordo com uma notícia vinculada ao jornal “Valor Econômico”, o plano estratégico da companhia de energia paranaense para os próximos quatro anos, irá priorizar a aquisição de ativos relacionados a fontes alternativas de energia e concessões do governo. Segundo o artigo, os investimentos previstos para 2011 superariam R$ 500 milhões, como parte dos investimentos planejados até 2015, cujo objetivo principal é o aumento da capacidade de geração de energia da companhia em aproximadamente 44% e a elevação na participação de fontes alternativas na receita da empresa nesse período. A notícia é apenas de cunho informativo, não devendo impactar nos preços das ações.

Eletropaulo – De acordo com o jornal “Valor Econômico”, José Aníbal, secretário de Energia do Estado de São Paulo, irá se reunir hoje (18) com a AES Eletropaulo para exigir providências extras da companhia, referentes à falta de energia em algumas regiões de São Paulo no início de junho. Segundo o plano anunciado, a Eletropaulo iria investir R$ 120 milhões para a contratação de eletricistas e para o aumento das posições de atendimento. Entretanto, Aníbal afirmou que o investimento é insuficiente, exigindo 2 vezes o volume financeiro previsto. Além disso, o secretário anunciou que está sendo estudada a possibilidade de multar a AES Tietê e a Duke Energia Geração Paranapanema (companhias do grupo AES no setor de geração) pelos descumprimento do edital de privatização da Tietê, que venceu a 3 anos. De acordo com o documento, as duas empresas tinham a obrigação de ampliar em 15% seus parques geradores, cerca de 720 MW, até 2008. Desde então, o caso se arrastou por diversas instâncias administrativas, e pela primeira vez, o governo do Estado cogita oficialmente em aplicar a multa, que pode levar até ao cancelamento dos contratos de privatização. A notícia é marginalmente negativa para a companhia, podendo gerar uma certa volatilidade nos ativos no curto prazo.certa volatilidade ao preço das ações da companhia.

Gafisa – A construtora divulgou hoje (18/07) seus dados pré-operacionais relativos ao segundo trimestre de 2011. De acordo com as informações, a Gafisa atingiu R$ 1.147 Bilhão em vendas contratadas, valor 22,67% superior ao registrado no 1T11 e 28,87% superior ao mesmo período do ano anterior, alcançando no primeiro semestre um total de vendas de R$ 1.969 Bilhão, volume 12,70% maior que o registrado no primeiro semestre de 2010. Já em relação aos lançamentos, a companhia registrou R$ 1.380 Bilhão no 2T11, valor 36,76% maior que o 2T10, atingindo 36% de seu guidance para 2011.  A velocidade de vendas da Gafisa também apresentou uma boa evolução, registrando no trimestre um VSO de 25,2% contra um 21,4% do 1T11. Consideramos a notícia positiva para os papéis da construtora, porém o relatório divulgado ainda carece sobre maiores detalhes em relação à rentabilidade dos projetos da companhia, nos quais esperamos que sejam divulgados em 08 de agosto com seus resultados operacionais do 2T11.

IMC Holdings – Segundo uma notícia publicada pela “Agência Estado”, a International Meal Company Holdings (IMC), companhia que atua no setor de alimentação no Brasil através das marcas Viena e Frango Assado, anunciou que adquiriu 100% do capital social da empresa colombiana “Aeroservicios” por R$ 6,5 milhões. Com presença nos principais aeroportos da Colômbia, a “Aeroservicios” fornece refeições para companhias aéreas domésticas e internacionais, além do comercializar alimentos e bebidas em restaurantes do país por meio das marcas Presto e Palmeto Café. A notícia é positiva para os papéis da IMC, uma vez que possibilita o avanço da empresa nos aeroportos da Colômbia, que corresponderam a 27% da receita da companhia no 1T11, e 16,3% no ano de 2010, além de consolidar a sua presença no setor de alimentício da América Latina.

Minerva – A companhia comunicou ao mercado que pretende usar parte dos R$ 300 milhões obtidos com a venda de debêntures conversíveis para a recompra de bônus de subscrição de ação. A empresa deve alterar o prospecto preliminar da venda de debêntures para refletir o uso adicional dos recursos. O valor de mercado aproximado dos bônus de subscrição era de R$ 10,2 milhões em 12 de julho, conforme dados internos da companhia. A notícia é de cunho informativo, não devendo afetar as ações da Minerva.

MRV – A incorporadora anunciou ontem (17/07) por meio de um fato relevante, que o fundo de private equity “Starwood Capital Global Group” adquiriu 62.650.09 ações da MRV LOG, subsidiária da MRV focada na geração de renda por meio de projetos como galpões industriais e shoppings, em uma operação que movimentou R$ 350 milhões pela aquisição de 33% do capital votante da unidade. Segundo o presidente da MRV, Rubens Menin, o investimento permitirá que a unidade de negócio financie a expansão de seu portfólio de ativos, que possui atualmente 30 projetos divididos em 8 estados brasileiros, equivalentes a 1 milhão de m² de área bruta locável. De acordo com o executivo, o capital aportado será utilizado para alavancar o crescimento da MRV LOG nos próximos três anos, visando atingir 3 milhões de m²  de ABL. A notícia é positiva para as ações da MRV, http://ukrainian-womens.com à medida que a entrada do fundo no braço logístico da companhia representa uma capitalização estratégica para redução do consumo de caixa de sua controladora, MRV Engenharia, cujos investimentos influenciaram muito no endividamento da construtora desde agosto/2010 e o seu foco permanecia distinto de sua controlada.

Fonte: Research - Um Investimentos CTVM S/A