Na sua opnião contabilidade é gasto ou investimento?
Ver Resultado

3 de novembro de 2015
Quanto vale a sua empresa?
3 de novembro de 2015
A armadilha do fundador
3 de novembro de 2015
Empreender exige planejamento
24 de março de 2015
Pare, olhe, escute

Novo modelo econômico impacta na mão de obra

Instalação de grandes empreendimentos em várias regiões do Brasil e jornada excessiva de trabalho são questionados por especialistas

Patrícia Comunello

Grandes empreendimentos que se espalharam em regiões do País, incluindo o Estado, nas últimas décadas e o avanço das tecnologias de comunicação geram impactos à mão de obra. Efeitos entre positivos, como a ampliação de vagas e escolaridade, e negativos, de menores salários a jornadas ainda excessivas, exigem maior atuação de organizações sociais, como sindicatos, apontam especialistas que estudam o mundo do trabalho e que estiveram reunidos entre quinta-feira e sexta-feira em Porto Alegre. Uma das preocupações é dimensionar e compreender o efeito de modelos como o da globalização para bilhões de trabalhadores pelo nos próximos anos.

O terceiro seminário nacional do Fórum Futuro do Trabalho, promoção do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) com apoio de Dieese e Fundação de Economia e Estatística (FEE), mobilizou cerca de 20 pesquisadores de universidade de todo o País em destrinchar temas como trabalho formal e informal, por conta própria e precário, em casa, nas ocupações da chamada economia criativa e as regulações e horas de trabalho diárias de homens e mulheres, além de efeitos para a saúde.

O diretor do Instituto de Ciências Sociais da Universidade Nacional de Brasília (UNB), o sociólogo Sadi Dal Rosso, citou que a chamada jornada excessiva (além do número de horas previstas em lei) que em relatórios da Organização Internacional do Trabalho (OIT) atingiriam 22% dos empregos formais em 54 nações (614 milhões de trabalhadores entre 2,8 bilhões), era verificada em 22% dos contratados em 2010 no Brasil, segundo o Censo. “Reduzimos frente aos 35% de 2000, mas em 2013 nos igualamos aos 22% do panorama global”, atenta o diretor do instituto da UNB. Pelo mundo, o especialista observa que mesmo nações desenvolvidas revelam alguns segmentos com aumento de jornada.

“Mesmo que tenhamos redução no Brasil, a jornada excessiva continua sendo um problema,  pois afeta mais de 21 milhões de pessoas que trabalham em condições eticamente intoleráveis”, reflete Dal Rosso. A porção majoritária que se enquadra no tempo legal, de 44 horas semanais pela legislação brasileira e para a maior parte das ocupações, não implica menos esforço. “Reduz-se a jornada, mas eleva-se, pela via da gestão, o grau de intensidade laboral”, diagnostica o sociólogo da universidade de Brasília.

Na mão de obra feminina, amplia-se o tempo de trabalho no emprego, mesmo que a jornada mantenha-se em casa. Isso se verifica pela extensão da meia jornada para dedicação mais próxima do tempo integral.  O especialista detectou ainda que um maior número de horas é mais comum em segmentos como ocupações domésticas, transportes, comércio, reparação de veículos e máquinas, agropecuária e construção civil.

Parte da manutenção do trabalho excessivo, lembrou Dal Rosso, deve-se à indefinição sobre a proposta de redução da jornada para 40 horas semanas o setor privado, prevista na Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 231, que tramita no Congresso Nacional desde 1995. “A modernidade e o processo civilizatório falharam com respeito ao sonho de excluir dos locais de trabalho as jornadas entendidas como socialmente excessivas”, conclui o diretor do Instituto de Ciências Sociais. “Ter um a cada cinco trabalhadores nessa condição revela-se uma derrota do gênero humano em uma de suas grandes esperanças.”

Atração de investimentos ignora as consequências para trabalhadores

O caso recente do fechamento com demissão a ser sacramentada de quase mil trabalhadores da unidade da Iesa Óleo e Gás, principal empreendimento do prometido polo naval de Charqueadas, é um caso típico de movimento de investimentos regionais que ignoram o efeito social, principalmente para a mão de obra. O professor e sociólogo do Departamento de Sociologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) José Ricardo Ramalho defende que o impacto aos trabalhadores desse tipo de alocação sejam incluídos no debate sobre a atratividade e reais benefícios dos empreendimentos. Segundo o professor, governos e representantes locais costumam prometer dez a 20 vezes mais benesses que efetivamente o projeto vai gerar.

Ramalho estuda esse tipo de investimento, que é propagado como fonte de desenvolvimento, em diversas regiões – da siderurgia, no Norte, a clusters automotivos no Sudeste. O sociólogo confirma que vantagens comparativas, como menor custo de mão de obra, é um dos motivos para a disseminação das fábricas, dentro também da lógica de multiplataformas globais que as companhias estrangeiras firmaram nas décadas recentes. Ele confrontou salários e aponta que metalúrgicos da região do ABC, maior polo no País, recebem um terço a mais que os colegas nos polos surgidos nas últimas duas décadas.

O Estado tem sido alvo de políticas de atração, com o complexo da General Motors em Gravataí, no fim dos anos de 1990, e mais recente a febre do polo naval em Rio Grande e também no polo do Jacuí. Outro sintoma desse fluxo nas regiões é o trabalho temporário e migrante, presente na construção civil e até nas encomendas de plataformas para o pré-sal. Essa situação coloca em contato trabalhadores das regiões e de diversos pontos do País e não há legislação que regule isso, alerta Ramalho. Uma greve geral durante a construção da hidrelétrica de Jirau-Santo Antônio pautou a ideia de um acordo nacional. “Não dá para impedir o fluxo, mas é importante a formalização”, opine o sociólogo.

Para Ramalho, a atração e como são implantados os grandes investimentos passam pelo tipo de desenvolvimento que o País quer.  O sociólogo ressalta que o modelo só faz sentido se gerar enraizamento e aplicação de recursos nas regiões. “O modelo de só explorar e retirar recursos e ir embora tem de ser contestado.” O professor da UFRJ aposta que as localidades podem atuar mais e demandar mais nesses processos. “A lógica dos investimentos têm sido em geral de atender aos interesses das empresas, o que significa satisfazer o lucro do acionista”, endereça o sociólogo. Ramalho observa que há espaços para buscar avanços, pois a maior integração de unidades de multinacionais permite contato de funcionários no Brasil com outras regiões, o que fomentaria a busca por melhorias nas relações de trabalho.

Fonte: http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=181412