Na sua opnião contabilidade é gasto ou investimento?
Ver Resultado

13 de novembro de 2018
Empresários esperam aumentar investimentos e gerar mais empregos em 2019
7 de novembro de 2018
Reforma Tributária pode ser votada ainda este ano
31 de outubro de 2018
Senado aprova regras para duplicatas eletrônicas em nova votação
30 de outubro de 2018
Conheça as propostas de Bolsonaro para a economia

Para 69%, política do governo limita empreendedorismo

ÁLVARO CAMPOS – Agencia Estado

SÃO PAULO – Apesar de o Brasil ter uma das maiores taxas de empreendedorismo do mundo, o brasileiro que quer investir em negócio próprio se depara com muitas dificuldades. Segundo a pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM), divulgada hoje pelo Sebrae, a principal crítica está nas políticas governamentais. No ano passado, 69% consideraram esse um fator limitante. De 16 condições para empreender no Brasil, apenas cinco foram consideradas favoráveis.

Os analistas da pesquisa afirmam que falta uma política nacional voltada para o empreendedorismo e que os incentivos governamentais são poucos. Outra reclamação constatada é em relação ao peso que a carga tributária exerce sobre atividades empreendedoras, especialmente sobre a folha de pagamento. Os entrevistados consideram que houve avanços em razão da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa e do Simples, mas dizem que depois que a empresa sai dessa condição, a possibilidade de crescimento é bastante dificultada.

Apesar da oferta de crédito no Brasil ter crescido bastante nos últimos anos, 56% dos especialistas reclamam da falta de apoio financeiro. Segundo o presidente do Sebrae, Luiz Barreto, como no Brasil 58% dos empreendedores tem um capital inicial de até R$ 10 mil, a maioria busca esses recursos em economias próprias e na família. De acordo com Eduardo Righi, diretor presidente do Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBQP), que participou da realização da pesquisa GEM, o País avançou no macrocrédito, mas precisa de uma reforma no microcrédito, para ampliar e facilitar o acesso.

“É preciso criar mecanismos de estímulo locais. Só metade das prefeitura no País regulamentou a lei federal de micro e pequenas empresas”, afirma Barreto. “É evidente que nós temos um longo caminho de desafios. A agenda tributária, por exemplo, precisa ser simplificada. Mas o governo tem sensibilidade em relação a isso”, diz o presidente do Sebrae.

Cenário internacional

De acordo com a pesquisa GEM, entre os 59 países que participaram do estudo no ano passado, o Brasil ficou na 44ª posição na avaliação das políticas governamentais (em âmbito federal, estadual e municipal), segundo a percepção dos analistas. Quando considerados os impostos, burocracia, regulamentações e tempo de abertura de empresas, o Brasil fica na última posição do ranking, atrás de países como Costa Rica, Uganda, Jamaica e Vanuatu (Oceania).

Já em educação e treinamento, o Brasil fica no penúltimo lugar, à frente apenas do Egito, quando o critério é ensino fundamental e médio. No quesito ensino superior e aperfeiçoamento, o País fica na 50ª posição. Em suporte financeiro, o Brasil tem uma colocação intermediária: 22ª.

Apesar disso, os especialistas avaliam que o País é o segundo em oportunidade empreendedora, perdendo apenas para a Zâmbia. O mercado brasileiro é considerado dinâmico e cheio de oportunidades para novos negócios, tanto no que tange ao business-to-business quanto aos bens de consumo e serviços.

Fonte: http://economia.estadao.com.br/noticias/economia+geral,para-69-politica-do-governo-limita-empreendedorismo,64280,0.htm