Na sua opnião contabilidade é gasto ou investimento?
Ver Resultado

3 de novembro de 2015
Quanto vale a sua empresa?
3 de novembro de 2015
A armadilha do fundador
3 de novembro de 2015
Empreender exige planejamento
24 de março de 2015
Pare, olhe, escute

Petrobras cai 15% em sete pregões seguidos e perde R$ 28 bilhões em valor de mercado

Incerteza sobre política econômica faz Bovespa fechar em queda de 1,27%

POR RENNAN SETTI*
Plataforma da Petrobras – Agência O Globo

RIO — As ações da Petrobras encerraram no vermelho nesta terça-feira, acumulando 15% de queda em sete pregões consecutivos e perdas de R$ 28 bilhões em valor de mercado. Com a companhia envolvida em um escândalo de corrupção sem precedentes em sua história e vítima de um cenário negro para o preço do petróleo, seu papel preferencial (PN) atingiu hoje sua menor cotação desde maio de 2005, valendo R$ 12,13. A queda da petrolífera, dos bancos e da Vale fizeram com que a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) também fechasse no negativo, na contramão dos mercados internacionais que subiram com rumores sobre novos estímulos econômicos na China e bons dados da economia americana. Pressionado pelas incertezas sobre a condução da política econômica e fiscal daqui para frente, o índice de referência Ibovespa fechou em queda de 1,27%, aos 51.612 pontos.

Na Europa, as principais Bolsas apresentaram alta — com exceção do pregão em Frankfurt, que recuou 0,30% —, acompanhando a alta das ações na China, que foi a maior em 15 meses. O otimismo se deveu a especulações de que o Banco do Povo, o banco central daquele país, planejaria ampliar os estímulos à economia por meio da redução dos depósitos compulsórios pelos bancos. Assim, mais dinheiro circularia na economia. O índice FTSE 100, principal indicador da Bolsa de Londres, subiu 1,29%. Na Bolsa de Paris, o índice CAC 40 avançou 0,25%.

Nos EUA, o bom desempenho de ações de biotecnologia e resultados positivos sobre investimentos em construção civil contribuem para a alta. O índice Dow Jones avança 0,52%; o S&P 500, 0,57%; o Nasdaq tem alta de 0,54%.

INSTABILIDADE NA PETROBRAS

Em meio a um escândalo político e à crise do petróleo, a Petrobras teve um pregão muito instável, alternando entre os campos positivo e negativo. Por volta das 16h, as ações perderam força e encerraram no vermelho. Os papéis ordinários caíram 0,96%, enquanto os preferenciais perderam 0,96%. Na avaliação Julio Hegedus, economista-chefe da consultoria Lopes Filho, a queda não teve relação com a acareação entre os ex-diretores da Petrobras Paulo Roberto Costa e Nestor Cerveró na CPI Mista do Congresso.

— Nada de novo foi revelado. O que mais pesou para puxar o mercado foi a desconfiança quanto ao que será decidido para o futuro da política econômica e o consenso de que o BC vai apertar os juros amanhã, o que acaba tirando atratividade da Bolsa e migrando-a para a renda fixa — acrescentou.

Os bancos também exerceram forte influência negativa. O Banco do Brasil recuou 3,07%, enquanto o Bradesco teve recuo de 1,76% (PN) e o Itaú Unibanco caiu 1,51%.

— Está pesando uma informação publicada no jornal “Valor Econômico” sobre investigação que o Banco Central está fazendo sobre a oferta de bônus de celular aos correntistas — afirmou Raphael Figueredo, analista da corretora Clear.

Segundo Maurício Pedrosa, estrategista da Queluz Asset Management, também acredita que está alimentando a instabilidade do Ibovespa a incerteza sobre o futuro da condução econômica do governo:

— A equipe econômica anunciada foi uma boa notícia, mas agora os investidores estão avaliando a realidade. Nada de concreto foi anunciado, e o que sobra são rumores sobre aumento de tributação. Preocupa bastante, por exemplo, o rumor de que caminha para ser aprovado projeto de lei para tributar dividendos pagos a acionistas, o que seria muito mal visto pelo mercado.

VALE FECHA TAMBÉM EM QUEDA

O projeto de tributação de dividendos foi proposto na Câmara pelos deputados Renato Simões e Ricardo Berzoini, ambos do PT-SP, em março. Texto aguarda parecer de relator na Comissão de Finanças e Tributação (CFT). Os boatos sobre esse projeto contribuíram para a forte queda da Bolsa na segunda-feira.

A Vale, que passou o dia em alta, fechou no negativo depois de anunciar que reduzirá seu investimento anual pelo quarto ano seguido em 2015. Os investimentos em execução de projetos e em manutenção de operações existentes deverão somar US$ 10,16 bilhões, queda de 26,3% em relação ao total anunciado para 2014. A companhia perdeu 2,57% nas ações ON e 2,40% nas PN.

Na agenda econômica nacional, o IBGE informou nesta segunda-feira que a produção industrial ficou estagnada e registrou crescimento zero em outubro, frente a setembro. No mês anterior o setor tinha recuado 0,2%, após dois meses seguidos de alta.

DÓLAR SOBE E É COTADO A R$ 2,574

O dólar comercial seguiu tendência internacional de valorização da moeda americana, subindo 0,58%, cotado a R$ 2,572 para compra e a R$ 2,574 para venda. A moeda chegou a valer R$ 2,581 na máxima do dia. Catorze das 16 principais moedas do mundo registram desvalorização frente ao dólar, com as divisas de países emergentes pressionadas pela baixa das commodities.

Nesta terça-feira, o BC fará a primeira reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que divulgará amanhã a taxa básica de juros, a Selic. Economistas dos bancos preveem aperto nos juros.

* Com agências internacionais

.
Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/economia/negocios/petrobras-cai-15-em-sete-pregoes-seguidos-perde-28-bilhoes-em-valor-de-mercado-14715604#ixzz3KqpG91jB