Na sua opnião contabilidade é gasto ou investimento?
Ver Resultado

13 de novembro de 2018
Empresários esperam aumentar investimentos e gerar mais empregos em 2019
13 de novembro de 2018
Virtual Data Room Software Hints
7 de novembro de 2018
Reforma Tributária pode ser votada ainda este ano
31 de outubro de 2018
Senado aprova regras para duplicatas eletrônicas em nova votação

Previdência quer compensação por desoneração da folha

CÉLIA FROUFE

BRASÍLIA – O ministro da Previdência Social, Garibaldi Alves Filho, disse hoje que espera receber uma “garantia concreta” do Ministério da Fazenda de que a arrecadação da Previdência não diminuirá depois da desoneração da folha de pagamentos. “A Fazenda vai dar (compensação), não é? Afinal, o prejuízo vai ser de todos. Não adianta querer dizer que a Previdência que se vire”, comentou. Governo e centrais sindicais e patronais discutem uma forma de mudar a cobrança de tributos que hoje incidem diretamente sobre a folha.

Mesmo acreditando que qualquer aumento de déficit será coberto pelo Tesouro Nacional, como já ocorre atualmente, o ministro quer saber exatamente onde encontrará recursos para cobrir déficits futuros. “Quero saber onde vão botar o dinheiro que tem que parar na Previdência”, disse.

Mais do que a desoneração da folha, o principal motivo da preocupação do Ministério da Previdência Social envolve o cenário no momento posterior a essa decisão, ou seja, com eventuais mudanças que poderão ocorrer no sistema tributário brasileiro.

À Previdência, assusta a possibilidade de passar a vigorar um tributo incidente sobre o faturamento das empresas – e não mais sobre a folha de pagamento – e que isso gere mais volatilidade para a arrecadação previdenciária. “Em momentos de crise, não se demite de imediato, como ocorre com o faturamento”, comparou o secretário de Políticas de Previdência Social, Leonardo Rolim. Para ele, a situação é mais preocupante porque a pasta precisa trabalhar com um horizonte de estimativas de 40 anos.

“A preocupação é com o pós (desoneração da folha). Qual será a dinâmica sobre a folha de pagamento?”, questionou o secretário.

A Previdência não conta com uma queda da arrecadação, porque imagina que essa volatilidade possa ser compensada de outras formas. Para se ter uma ideia, apenas a contribuição patronal sobre a folha de pagamentos foi de R$ 93 bilhões no ano passado, de um total de receitas de R$ 213 bilhões. Este ano, a perspectiva é de que seja um pouco maior, de pouco mais de R$ 100 bilhões.

A Fazenda concorda, segundo o secretário, que a mudança não seja automática, mas ocorra de forma progressiva. O período de transição, no entanto, ainda está sendo discutido. A proposta final do governo sobre o assunto está para ser divulgada “em breve”. “Estamos naturalmente esperando, pois há preocupação muito grande sobre desoneração”, afirmou o ministro Garibaldi Alves Filho. Ele quer que a pasta seja compensada no caso de perdas de arrecadação. “Eu diria até ressarcida, porque não podemos perder a arrecadação”, disse.

Mesmo a proposta de tributação sobre o faturamento, que está em estudo no momento, não é tão pacífica, conforme Garibaldi. “Há setores empresariais que ponderam sobre essa proposta. Nem tudo que parece acertado é tão pacífico, mas a desoneração da folha produz consenso entre governo e centrais e isso já é uma performance razoável”, considerou.

Fonte: http://economia.estadao.com.br/noticias/economia+geral,previdencia-quer-compensacao-por-desoneracao-da-folha,73621,0.htm