Na sua opnião contabilidade é gasto ou investimento?
Ver Resultado

3 de novembro de 2015
Quanto vale a sua empresa?
3 de novembro de 2015
A armadilha do fundador
3 de novembro de 2015
Empreender exige planejamento
24 de março de 2015
Pare, olhe, escute

Saúde mental é foco em 75% das empresas

JULIANO MOREIRA

A saúde mental dos funcionários tem ganhado atenção nas empresas. Pesquisa da consultoria Great Place to Work, obtida com exclusividade pela Folha, aponta que 75% das organizações concedem apoio psicológico total ou parcial aos empregados.
A ideia do serviço é fazer com que o trabalhador possa resolver os problemas familiares e os de trabalho, segundo o estudo realizado no ano passado com cem negócios de grande porte no Brasil.
“As gerações que chegam passam a inserir novos conceitos nas empresas. São pontos relacionados à produtividade e à felicidade dos funcionários”, diz a diretora de projetos da Great Place to Work, Roberta Hummel.
O levantamento mostra ainda que, para 82% dos profissionais dessas companhias, o local de trabalho é psicologicamente e emocionalmente saudável.
Para Ricardo Munhoz, diretor-executivo da Ricardo Xavier Recursos Humanos, políticas que visam ao bem-estar mental asseguram a permanência dos profissionais.
“As grandes empresas, principalmente as multinacionais, concedem apoio psicológico. É válido, pois cerca de 70% das demissões em níveis estratégicos são por motivos comportamentais.”

Alto escalão é mais suscetível a estresse

No país, 1,3 milhão de profissionais se afastaram do trabalho por problemas emocionais, diz estudo da UnB
Profissionais que ocupam cargos de alta responsabilidade estão mais suscetíveis a problemas emocionais como estresse, segundo especialistas ouvidos pela Folha.
A extenuante rotina de tomada de decisões, de reuniões e de viagens são fatores preponderantes para a configuração desse quadro.
As distorções no comportamento, porém, são distintas entre os gêneros.
“As mulheres costumam chorar e são mais sentimentais; os homens se tornam agressivos e impacientes”, compara Ana Cristina Limongi- França, coordenadora do Núcleo de Gestão da Qualidade de Vida do Trabalho da Universidade de São Paulo.
A especialista estima que, Nos últimos cinco anos, os pedidos de demissão por questões relacionadas a estresse tenham representado de 30% a 40% dos desligamentos.
Em abril, pesquisa da UnB (Universidade de Brasília) mostrou que, por problemas emocionais, 1,3 milhão de brasileiros receberam auxílio- doença em 2008.

PRESSÃO ALTA
O coordenador fiscal Mauro Barros teve que diminuir o ritmo devido aos efeitos da sobrecarga no organismo.
Com equipe reduzida na multinacional em que atuava e sob pressão da matriz, o profissional trabalhava de 14 a 16 horas por dia.
As fortes dores de cabeça foram determinantes para que procurasse um hospital, onde foi orientado a utilizar um monitor de pressão.
Em momento de pico, no dia seguinte à consulta, o aparelho registrou pressão arterial de 22 por 12 -pela diretriz da American College of Cardiology Foundation e da American Heart Association, ela deve ser menor que 14 por 9 em pessoas de até 79 anos.
“O médico pediu para eu parar, pois estava prestes a sofrer um AVC [acidente vascular cerebral]“, diz ele.
“Aproveitar momentos de relaxamento para realizar alguma atividade que faça o profissional se desvencilhar do trabalho, além de manter alimentação adequada, é importante para a saúde”, afirma Ligia Raquel Brito, médica do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos.
(JM)

Após crises de choro, funcionária treina substituta e é demitida

Mesmo em um cenário de transformação, algumas empresas não oferecem programas de apoio a funcionários.
A assistente de comunicação Amanda Trolezi, 23, por exemplo, foi desligada de um escritório no qual havia atuado devido a questões de saúde emocional.
Com a demanda de trabalho e a pressão da chefia, a jovem tinha crises de choro.
“Vendo meu estado, minha chefe me fez treinar uma pessoa para desempenhar as minhas funções. Após esse período, sem qualquer aviso, fui demitida”, afirma Trolezi.
Para o presidente da Associação Brasileira de Qualidade de Vida, Alberto Ogata, investimentos em programas de bem-estar são recomendados a empresas que queiram tanto aumentar a produtividade quanto reduzir gastos com saúde do funcionário.

 

Empresas disponibilizam atendimento por telefone

Programas garantem anonimato e buscam a diminuição da rotatividade

Em algumas empresas, o contato com psicólogos para resolver problemas emocionais vem em forma de ligação gratuita. Nelas, há um 0800 para auxiliar funcionários.
Na Sodexo Motivation Solutions, de cartões corporativos, o processo de apoio psicológico ao empregado está em vigor há seis meses. Pessoas com problemas pessoais ou profissionais recebem atendimento por 0800 ou presencialmente.
Mais de 10% dos trabalhadores da companhia utilizaram esse serviço, segundo o diretor-executivo de RH da companhia, Thiago Zanon. “As empresas demoram a perceber que esse investimento é benéfico. O “turnover” da Sodexo diminuiu [depois do programa]“, afirma.
Na Kimberly-Clark, de produtos de higiene pessoal, funcionários têm a opção de utilizar o “Konte Comigo”, programa que oferece atendimentos financeiro, jurídico e psicológico a empregados por telefone ou pessoalmente.
Assim como no projeto da Sodexo, na Kimberly-Clark o anonimato é garantido.
“No primeiro trimestre, foram atendidos 60 funcionários. No ano passado, cerca de 200 colaboradores passaram pelo programa”, afirma a diretora de RH da indústria, Maria Lucia Ginde.

MOTIVAÇÃO
Para o fundador da consultoria de gestão de carreira Gnetwork, Eberson Federezzi, a adoção de “iniciativas saudáveis na organização” está associada, em grande parte, à necessidade de aumentar a produtividade dos funcionários, reter talentos e diminuir a rotatividade.
“O foco é manter os profissionais motivados. Com a pressão e a cobrança, muitos se sentem acuados a não conseguir suprir as necessidades da companhia”, diz.
O coordenador do Núcleo de Psicologia do Trabalho na PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica), André Bruttin, defende a adoção de programas corporativos de auxílio psicológico.
Ele ressalta que a implementação pede cuidados “”não deve ser só emergencial.
Para ele, há três níveis de atuação a que as empresas devem se ater no apoio psicológico: um para cuidar de quem já adoeceu; outro para fortalecer o empregado em situações estressantes; e um terceiro que identifique os motivos do adoecimento.

 

Academia e aula de idioma estão entre benefícios

O cuidado com o bem-estar do empregado não é apenas no aspecto psicológico “”80% dos entrevistados revelaram poder se ausentar dos afazeres caso necessário, segundo a pesquisa da consultoria Great Place to Work.
Academia de ginástica e aulas de idioma também figuram entre os benefícios mais frequentes oferecidos pelas corporações.
O assistente de marketing da Academia Competition, Alexkis Pereira, 22, é um dos que valorizam os programas corporativos.
Por poder se exercitar gratuitamente, o profissional perdeu 10 kg.
“Além de poder usar de graça [a área de musculação], conto com descontos, oferecidos por meio de parceria da academia com empresas, em cursos de idioma e massagens”, conta.

Fonte: Folha de S. Paulo